Skip to content

Guillaume Le Gentil – azar pouco é tiquinho

sábado, 27 agosto, 2011 @ 12:07 am
by

Ppondicherry

Se você chegou aqui agora, leia o post anterior sobre a primeira tentativa do astrônomo Guillaume Le Gentil pra calcular a distância da Terra ao Sol usando o trânsito de Vênus.

Le Gentil, que apesar de azarado era persistente, decidiu esperar oito anos até o próximo trânsito de Vênus já que, como você viu, ele estava no melhor local de observação do fenômeno. Neste ínterim cartografou a costa de Madagascar, percorreu o Índico e fez uma tentativa fracassada de chegar às Filipinas. De volta a Pondichéry, que era novamente território francês, quase sete anos depois, teve tempo de sobra para construir seu observatório e esperar. No dia 4 de junho de 1769, estava a postos. O tempo anunciava-se bom desde há alguns dias, mas, inesperadamente, no exato momento desta segunda passagem, quando mirou o telescópio na direção de Vênus, esperando o alinhado com o Sol… o céu se cobriu de grossas nuvens. E as danadas das nuvens permaneceram lá pela duração do trânsito venusiano: exatas 3 horas, 14 minutos e 7 segundos.

Quem conta um conto aumenta um ponto. Se você jogar “Guillaume Le Gentil” no Google vai receber em aproximadamente 0,25 segundos um caralhilhão de documentos e cada um com um final mais barra-pesada para nosso personagem. Uns afirmam que o astrônomo ficou louco de raiva e pra piorar o que já estava ruim, foi acometido de uma disenteria que o deixou alguns meses de cama. Fracassado e ainda doente resolve voltar para a França de navio, quando quase morre durante uma forte tempestade perto das Ilhas Reunião. Outros dizem que Le Gentil tocou fogo no observatório e durante a viagem de volta foi resgatado por um navio espanhol depois de ter caído no mar durante a tal tempestade. Outros, ainda, atestam que ele chegou à França quase morto, depois de cruzar os Pirineus a pé

Pensa que acabou? Pois quando nosso azarado astrônomo chegou a Paris, 11 anos e meio após ter partido, teve um choque. Declarado legalmente morto, sua cadeira na Academia Real tinha sido dada a outro cientista. A esposa, considerando-se viúva, tinha casado com seu melhor amigo e todos os seus bens tinham sido dilapidados pelos herdeiros. Para Le Gentil, azar pouco é tiquinho.

A tentativa frustrada de Le Gentil para ver trânsito de Vênus foi contada, também, na obra Breve História de Quase Tudo de Bill Bryson, considerado um dos maiores escritores de viagens da atualidade e autor, entre outros títulos, de Made in América e de Crônicas de uma pequena ilha. Livros que, infelizmente, ainda não li.

A foto e parte da história eu pesquei no Obvius.

2 Comentários leave one →
  1. terça-feira, 30 agosto, 2011 @ 9:16 am 9:16 am

    Helio,,,,,,cuidado,,,, falar de azar, da um azar danado……..

    abraços bahianos

    Hugo Vidal

    Curtir

    • quarta-feira, 31 agosto, 2011 @ 5:10 pm 5:10 pm

      Hugo,

      Rapaz, vira essa boca pra lá!
      Você viu como esse fim de semana foi pródigo em desgraças? Foi-se o Salmo 33 e o Sr. Arizon. Que pena.
      Abraços paraibanos,

      Curtir

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: