Skip to content

Mar Vermelho 2011 – Hurghada, primeiras impressões

quinta-feira, 18 agosto, 2011 @ 6:50 pm

MarinaHurghada

É difícil de acreditar que apenas há duas décadas a cidade de Hurghada, o balneário mais popular do Egito, era uma pacata vila de pescadores. Espremida entre o Mar Vermelho por Leste e as montanhas do deserto por Oeste, a cidade é dividida em três partes: El Dahar, ou downtown, como eles chamam o centro; Sakala, a parte velha; e El Mamsha, a parte “moderna”, com uns quarteirões só para pedestres e 25 km de praias com um hotel do lado do outro (são mais de 300).

OrlaMarinaHurghada

As boas instalações da Hurghada Marina, onde ficamos a bordo do veleiro-escola Fraternidade, estão aonde era o porto dos pescadores. Eles foram deslocados pro lado e os barcos ficam todos amontoados, em frente ao mercado de peixes. Durante o dia, além do calor quase saariano, paira no ar uma poeira insistente. Os que sofreram mais neste clima adverso, por conta da baixa unidade, foram os meus pés que ficaram rachados de dá dó. Sorte que nas noites o calor dava um refresco, mesmo assim dormi muitas vezes no convés, encharcado de suor, vendo as estrelas até desmaiar.

Hurghada, ou Al Ghardaka em árabe, vive de turismo como o badalado Charm El Sheiq, pra onde o ditador Mubarak fugiu depois de ser deposto no inicio do ano, no que se apelidou de “revolução do Facebook” – os insatisfeitos usaram esta ferramenta para organizar as manifestações na praça Tahrir, no centro da capital Cairo (se escreve assim ميدان التحرير e significa Praça da Libertação). Se bem que, independentemente da rede social, nada disso teria acontecido se não houvesse tanta corrupção, desemprego, falta de democracia e até de comida!

Mas chega de devaneios, vamos voltar pro rumo da prosa.

AguaAzul

Quando estive lá, em meados de abril, as coisas estavam voltando ao normal. A cidade estava tranquila e os turistas estavam começando a aparecer. O grosso dos quatro milhões de turistas anuais fazem parte daquela espécie de viajante que gosta de ver o mundo embaixo d´água. Não há rios desaguando no Mar Vermelho, então dá pra imaginar a transparência da água né? É uma festa de cores nas marsas, como eles chamam as enseadas: vai do turquesa ao marrom das areias, até o verde nos arrecifes. Isso sem falar do azul quase roxo das águas profundas. Eu, que quase não sei nadar, só molhei as canelas.

ScubaScene

Não é à toa que esse mundo de gente tem a disposição mais de 2000 embarcações equipadas para o “seafari”, ou safáris subaquáticos, seja para saídas diárias ou live aboard. E a coisa funciona como uma indústria! Uma curiosidade: a maior parte dos barcos, alguns enormes, são construídos por lá mesmo e de madeira (como a novíssima Scuba Scene na foto acima).

Ficamos na marina por quase 20 dias, deu pra passear bastante e até pra fazer novos amigos. Mas isso é assunto para outros posts.

Para saber como foi a navegada com meu comandante Aleixo Belov no Fraternidade, do Sudão até Hurghada, clique no Diário de Bordo 3.

2 Comentários leave one →
  1. Epifanio permalink
    quinta-feira, 18 agosto, 2011 @ 9:35 pm 9:35 pm

    Perfeito “tio” Hélio! Já tava sentindo falta das gotas salgadas quase diárias que estavam, virando quase mensais.

    Curtir

    • sexta-feira, 19 agosto, 2011 @ 4:22 pm 4:22 pm

      Zé,

      Estais coberto de razão, tenho escrito pouco, mas “quase” significa que as gotas d´água salgada não são diárias, ora!
      Logo mais tem mais posts sobre o Egito.
      Bons ventos sempre e um cheiro na minha pupila (a tua esposa, não a do meu olho, claro)

      Curtir

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: