Skip to content

Livros

Aqui você encontra as micro-resenhas dos livrod náuticos, de viagens ou aventuras que estão espalhadas pelo blog. Nada profundo, afinal sou velejador e não critico dliterário.

Note que lá embaixo, antes da caixa de comentários, se pode paginar para os textos mais antigos.


Alma Nomade

Capa do Alma Nomade de Sérgio Zurawel

Sérgio Zurawel, nascido em 1951, filho de pai ucraniano e mãe polonesa, traz no sangue a alma Cossaca. Nômade como seus ancestrais, viajante, aventureiro, sonhador, piloto comercial, mergulhador, pára-quedista, velejador, andarilho, estudante de Filosofia, por vezes místico, por vezes cético, Zuarwel morou a bordo de um pequeno veleiro por anos, o multichine 23 Caso Sério, percorreu a pé os 800 km do Caminho de Santiago, aventurou-se até Ushuaia em um simples fusquinha, o Carro Sério, cruzou os Andes e atravessou as três Américas em uma moto, percorrendo 20.000 km da Califórnia até a vila de Visconde de Mauá, nas deslumbrantes montanhas da Serra da Mantiqueira.

Zura na chegada em Visconde de MauáNa aventura contada neste seu primeiro livro, Alma Nomade, Zurawel partiu em solitário de Mauá e foi até a Guiana Francesa. No caminho passou pelo Pantanal, a Amazônia, os Lençóis Maranhenses, percorreu o Cerrado, cruzou muitos rios e chegou a pequenas aldeias e cidades interioranas deste nosso imenso país. Este aventureiro enfrentou sol, chuva, lama, poeira, solidão, usando sua pequena moto, de meros 125cc, como meio de locomoção. Tudo isto para concretizar um velho sonho: rodear o Brasil. Suba na garupa e desfrute deste passeio fascinante. O livro Alma Nomade pode ser encomendado no Clube de Autores.

O MaraCatu Weblog noticiou as aventuras de Zura no post Velejando em 2 rodas


Vivendo o Mar a Cada Dia – de Salvador a Ilhabela na esteira do Ondine

Capa do livro Vivendo o Mar a Cada Dia

O casal Eliana e Gomes, mais Gerson e Lili no veleiro Tô Indo, fizeram um cruzeiro de Salvador a Ilhabela a bordo do Ondine, um Brasília 32.

Na volta pra casa, este cruzeiro, de pouco mais de 2050 milhas, rendeu o livro Vivendo o Mar a Cada Dia – de Salvador a Ilhabela na esteira do Ondine, escrito por Lia como um despretensioso diário de bordo. Tá tudo lá: o começo de tudo, a preparação, a tensão de passar o São Tomé, o Boqueirão, a vadiagem na Baía da Ilha Grande, os reencontros e os novos amigos, as várias escalas até Ilhabela numa velejada prazerosa e sempre de olho nas cadeiras Lia no lançamento do livro em Salvadorvermelhas (leia-se bares onde serviam a cerveja Itaipava).

Dá pra ler de um fôlego só as suas 96 paginas. Como bem sintetizou na contracapa o Sergio, irmão de Tom que mora em Vitória, : “muito mais do que impressões de viagens pela bela costa brasileira – a bordo do incansável Ondine – [o livro] é uma lição de que o dia é para ser vivido a cada momento, como já advertia, há séculos, o poeta romano Horácio, no seu Carpe Diem, sem medo do futuro e dos ventos, soprem eles da vida ou do mar”

Se quiser encomendar o seu exemplar, entre em contato com a autora clicando aqui ou aqui.


O Mar é Minha Terra

O velejador especialista em multicascos Beto Pandiani, o Betão, lançou seu livro O Mar é Minha Terra na versão e-book. O livro, em pdf, pode ser “baixado” por R$ 29,90 na Gato Sabino. Vai lá!

Abaixo a resenha que pesquei na net:

Capa do livro O Mar é Minha TerraNesta obra, que tem como fio condutor o diário de bordo da Travessia do Pacífico – sua viagem mais recente a bordo de um catamarã sem cabine, e também a mais longa delas – o velejador Beto Pandiani relembra passagens imperdíveis de suas cinco jornadas anteriores e recupera uma boa parte de sua trajetória pessoal, passando por momentos de sua infância, juventude e maturidade. Trata-se do primeiro livro de memórias de Beto Pandiani, em que o velejador revela-se um narrador hábil e um excelente contador de histórias, capaz de levar o leitor a navegar em ondas que mesclam momentos de calmaria a situações de risco extremo, viagens interiores e aventuras ao redor do globo às quais a maioria das pessoas jamais se arriscaria.

Para ler o arquivo pdf, se ainda não tem, clique aqui para baixar o Adobe Acrobat Reader.


Memórias da Varanda – ou aventuras de navegadores de curto curso

Capa do livro Memórias da VarandaCelso Lazzari conta os causos que vivenciou em sua “carreira” náutica no livro Memórias da Varanda – ou aventuras de navegadores de curto curso, que pode ser encontrado na loja do Joaquim na Marina da Glória ou encomendado na Dinformar ou na livraria virtual Moana Livros. Aqui tem outros posts sobre o livro e acolá tem o e-mail de Celso, caso queira contatar o autor.

Este humilde escriba foi convidado para escrever na orelha (do livro, bem entendido, não do autor) e como o primeiro texto impresso a gente nunca esquece, veja aí o textículo que cometi.

Celso Lazzari durante o Rio Boat ShowA ideia de Celso era primeiro fazer uma viagem de volta ao mundo e depois escrever um livro.  Não deu, Sarnei e Collor acabaram com os seus projetos e também com os de muita gente.

E agora? O que fazer? Celso já havia plantado a árvore, feito filhos e construído o próprio barco. Só faltava escrever o livro. Será que realmente é necessário fazer uma circum-navegação para escrever um livro náutico? Claro que não.

Assim nasceu Memórias da Varanda, um livro escrito por quem nunca deu a volta ao mundo, mas que tem muitos causos para contar nestes quarenta e tantos anos de mar.

Velejador é um bicho gregário e solidário, mas não perde, nunca, a oportunidade de caçoar um parceiro, principalmente aquele que “entrou de gaiato no navio”. Então, venha navegar com essa turma bem humorada, você vai chorar de rir às bandeiras despregadas com os acontecimentos de cada página. Vai se identificar com os personagens destas histórias e, se ainda não tem barco, com certeza será mordido pela cobra d’água. Agora, se já faz parte desse mundinho náutico, vai identificar alguns dos tripulantes deste livro e, quem sabe… até se reconhecer em alguma passagem.

Bem vindo a bordo, solte a escota da mestra, entre no vento e cace a adriça. Arriba! Boa viagem.


Sobre Homens e Veleiros

Capa do livro Sobre Homens e VeleirosRicardo Amatucci, o presidente da ABVC no biênio 2007-2008, passou dois anos pesquisando sobre a história dos principais eventos da vela de cruzeiro no Brasil. O resultado? Sobre Homens e Veleiros – Relatos, registros e crônicas da  vela no Brasil, o livro onde ele conta a história da própria ABVC e das regatas mais tradicionais do país (como a Refeno, o Cruzeiro Costa Leste e a Eldorado Brasilis, esta participamos juntos a bordo do motor sail Horizonte).

O livro traz, também, textos que foram publicados em revistas náuticas, como a saga dos jangadeiros que saíram de Fortaleza e vieram até o Rio de Janeiro para falar com Getúlio Vargas, e curiosidades como o fato da Refeno estar [em 2008] na vigésima edição, mas ter mais de vinte anos. Garimpar estes dados foi um dos pontos trabalhosos do livro. Nem os próprios organizadores lembravam o porquê. Para Ricardo a principal ideia desse livro é ajudar a preencher essa lacuna e registrar para a história os eventos cruzeiristas.

Ricardo Amatucci no Pink Fleet durante o Costa LesteAqui você pode ajudar: se foi a alguma das regatas, ou sabe da colocação de algum barco que não esteja relacionada no livro, entre em contato com o autor no blog Sobre Homens e Veleiros.

Graças as precisas entradas do livro de bordo, religiosamente anotadas pela comandante Mara, posso colaborar com Ricardo informando que nas três Refenos que participamos com o MaraCatu, na classe RGS-E, nossas colocações foram:

Em 1999 não pontuamos, mas foi a nossa 1ª Refeno e, como na propaganda de sutiã, a gente nunca esquece. Largamos às 13:10 de 25/09 e chegamos às 19:18:53 do dia 27.

Em 2001 ficamos em 1º.
Largamos às 13:00 de 29/09 e chegamos às 18:00:44 do dia 01/10.

Em 2002 ficamos em 2º.
Largamos às 12:00 do dia 21/09 e chegamos às 04:44:49 do dia 24.


About these ads

Páginas: 1 2 3

3 Comentários leave one →
  1. Simonne permalink
    quinta-feira, 20 janeiro, 2011 @ 4:17 pm 4:17 pm

    Adorei Helinho!!! Muito boa sua Estante…
    bjs

    • quinta-feira, 10 março, 2011 @ 9:04 am 9:04 am

      Si,

      Gracias querida, apareça sempre que vira e mexe trem coisa nova.
      Besos,

  2. Luiz Edmundo S. Oliveira permalink
    quarta-feira, 18 abril, 2012 @ 9:16 am 9:16 am

    Caros amigos Hélio e Mara,
    Escrevo mais para matar saudades de vocês. Caso não se lembrem, sou aquele navegador de 1ª viagem, cabelos brancos cortados a máquina 1, que o Hélio gostava de esfregar sempre que nos encontrávamos em Noronha e João Pessoa, na Refeno de 2005, quando fui marinheiro do Marcos no Jamanxim.

    Para completar sua estante, sugiro incluir os seguintes livros, que tenho na minha:
    Passageiros do Vento, de Edson de Deus; Como Viver a Bordo, de Vera e Yuri Sanada; Do Rio à Plinésia, do Cabinho, Cem Dias Entre Céu e Mar, do Amyr King (e seus outros livros); Dez Anos no Mar, da família Schurmann.

    Se triverem paciência, aguardem a publicação do meu segundo livro, chamado Histórias de Pescador. (que já está pronto, aguardando apenas quem queira publucar) Nele incluo um capítulo, retratando as regatas que participamos em 2005, onde dedico vários parágrafos ao simpatissíssimo casal.

    Recebem o meu cordial e saudoso abraço,

    Luiz Edmundo
    Salvador – B a.

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.785 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: