Pular para o conteúdo

Curso Express de Marinização

sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 12:07 am

ThaisLagoaAzul

Abri meu horizonte para charters na Baía de Ilha Grande e Paraty. Em dezembro estreei como skipper na Delta Yacht Charter, que tem seus Deltas 36´ na Marina Bracuhy. E comecei em mar de almirante: sai com o Plunct Plact Zum, ou PPZ no diminutivo, um Bénéteau Oceanis de 40 pés recém incorporado à flotilha.

Ainda não conhecia o Ernesto, um leitor assíduo do blog lá em São Paulo. Combinamos o charter pelo facebook e com alguns e-mails. O plano de Ernesto era levar a esposa para velejar pela primeira vez. O difícil foi arrumar três dias de folga em sua agenda superlotada. Não seria uma marinização como a da Camila, que durou uma semana, mas um “Curso Express”, como bem definiu Thais, a marinheira de primeira viagem.

Os tripulantes – Ernesto, Thais e sua irmã Débora – chegaram tranquilos quanto ao barco, eles têm lancha no Guarujá, mas receosos com relação a sinal de celular e internet, talvez por conta do filho pequeno que o casal deixou em casa. Fui logo tranquilizando a turma: por onde vamos navegar, a natureza é tão exuberante que vocês vão querer é ficar sem sinal.

Assim que deixamos a marina usei um artifício e, como quem não quer nada, sugeri que Thais assumisse o leme enquanto eu e Ernesto subíamos os panos. Com 15 nós de vento, o mar sem ondas e o PPZ velejando gostoso a 7 nós e quase em pé, era a condição ideal até pra vender barco. Imagina para marinizar uma mulher que parecia já saber timonear um veleiro desde criancinha. Não há aquele que, em sã consciência, possa desgostar disso. Ernesto convidou Mara para participar como instrutora no curso, então tínhamos hostess a bordo, ajudando em tudo e servindo uns snacks – alguns da marca que Ernesto produz para exportação. Thais só largou o leme, sem contar a escala para mergulho na Praia do Dentista, quando acabou o vento já perto da Ilha Grande, onde pernoitamos.

SitioForte

Aí teve a segunda lição do dia: banho frio no chuveirão do Bar do Lelé, na enseada de Sítio Forte, onde jantamos um vermelho assado. As meninas, que não têm este hábito, tiraram de letra. E gostaram! Depois foi curtir a noite e os brinquedinhos do Ernesto. Eu me espantei com a quantidade de tralha que embarcamos no PPZ. Quando fiz o transporte de parte dos volumes para o píer, notei a cara de espanto e ouvi o grito de Otávio, funcionário da Delta: vai cair! Não deu outra, o carrinho desembestou ladeira abaixo e joguei a bolsa de Ernesto n´água. O dano só não foi maior porque Otávio foi muito rápido, quase mergulhou junto, e o acidente não foi com a tal bolsa de brinquedos que estava recheada, entre outras coisas, com GPS, painel solar portátil, binóculo, bússola, buzina, fogos de emergência, isqueiro e até outro binóculo, este com visão noturna! Isto e mais todos os “is” da Apple: iPod, iPhone e iPad.

Tive a oportunidade de ficar um fim de semana inteiro brincando com a tábua prateada da maçã. Durante o dia aprendi a navegar com o Navionics (muito bom!), ou a usar as cartas da Marine Bra, da Geogarage, que já falei aqui. À noite era deitar nas redes sociais – blogs, Twitter e facebook -, e ficar até tarde jogando o Angry Birds. Dei boas risadas, zerei vários níveis e não consegui acabar com a bateria desse tal de iPad. Devo confessar que viciei de vez.

Mas tem mais, clica aí pra continuar lendo.

ThaisCozinha

O curso express de marinização começou cedo no segundo dia. Logo após o café da manhã preparado por Mara, a Thais fez questão de lavar a louça. Ótimo, o espírito de equipe, outro conceito do curso, estava nas alturas. Depois de explicado o funcionamento da bomba de pé, e a importância da economia de água, nossa aluna executou a tarefa com louvor. A louça ficou limpinha, mas… salgada. Falha minha, já que fui orientado que tanto a torneira da bomba elétrica, quanto a de pé, era de água doce.

Fomos motorando para a Lagoa Azul, que, como sempre, estava cheia de turistas náuticos. Ancoramos próximo ao canal entre a Ilha Grande e a dos Macacos. Logo a turma estava na água e Ernesto parecia uma criança brincando com seu motor estalando de  novo. Depois de uns pastéis, pedidos por VHF ao barco-restaurante ancorado no meio da lagoa de água salgada, o vento entrou e rolou a segunda aula de vela.

Ernesto

Agora foi a vez de Débora assumir as rodas de leme. É isso mesmo, o PPZ tem duas, uma em cada bordo. Início de verão atípico em Angra este ano, com vento bom pra velejar e pouco calor por conta do Sol meio escondido, mas inclemente. A timoneira, com sua pele branquinha típica de paulistana, não se protegeu direito e virou um tomate. Não houve necessidade de Dramin a bordo, mas sim de antitérmico. Nossa segunda marinheira de primeira viagem ardeu em febre, mas não perdeu o bom-humor hora nenhuma. Inclusive prometeu trazer o namorido em um próximo charter. Depois fiquei sabendo que Débi teve foi uma virose braba e não insolação, como pensávamos.

DeboraEm dois longos bordos estávamos na Enseada das Estrelas. Antes do almoço-ajantarado no Coqueiro Verde, teve o já tradicional banho de ducha no rio – frio como de costume. Thais voltou dizendo, não sei se para me zoar, ser “outra pessoa depois dessa experiência”. Deu pra notar no casal uma leve mudança de atitude. Eles trabalham muito. Ernesto, que tem 32 anos, começou a trabalhar na loja da família aos 12! Hoje ele atua no ramo de segurança, e Thaís na área alimentícia, com restaurantes e produção de alimentos kosher – que pra quem não sabe é o alimento preparado de acordo com o Torá, o livro sagrado dos judeus. O casal ficava ligado o tempo todo: acompanhavam o movimento dos restaurantes por uma câmera de vídeo plugada na net, noutra o quarto do filho. E os telefones não paravam de tocar, numa hora era um evento para 80 pessoas, noutra era uma apresentadora de TV que receberia em petit comitê. Eles só relaxaram mesmo, quando ficaram sem sinal no Saco de Céu.

TripulacaoPPZ

O sistema de diárias da Delta é como hotel, tínhamos que devolver o PPZ ao meio-dia de domingo. Mas o gerente Alexandre ligou nos dando mais três horas e meia de brinde. Oba, ainda deu tempo de dar uns mergulhos nas Botinas e fazer o lanche de despedida na Ilha de Paquetá.

Lembra da letra da musica “O Carimbador Maluco” de Raul Seixas? Mas quem concorda que o Plunct Plact Zum não vai a lugar nenhum? Em três dias passeamos bastante, foram seis ancoragens, e usamos apenas oito horas de motor.

Dias depois recebemos um carinhoso e-mail da Thais, em nome dos três, agradecendo o final de semana que “foi muito além de um curso express de marinização”. “Ter passado aqueles dias no veleiro com vocês foi uma vivencia espetacular que nos fez confirmar o quanto a natureza é bela, serena, acolhedora. Adoramos a experiência e esperamos que tenha sido a primeira de muitas e o inicio de uma bela amizade”.

No que depender dela vai ter curso avançado, e já nos próximos meses! O casal ainda alertou que ficássemos de olho no Sedex que o Papai Noel, um pouco atrasado, tinha providenciado um presente. Gente, ganhamos um iPad! Uhuuuuu! E o presentão chegou no mesmo dia que Miguel (To muito meloso? Dizem por aí que vô é um pai com açúcar).

Quanta gentileza. Muito, mas muito mesmo, obrigado pelo carinho (aqui falo também em nome de Mara) e na próxima ida a Sampa vou querer experimentar o famoso Omakassê.

About these ads
11 Comentários leave one →
  1. Epifanio Link Permanente
    sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 11:59 am 11:59 am

    “Tios”Hélio e Mara,

    Como vocês ficam chiques em 40′!!!!!!!!!! Pena que é uma fortuna, ainda mais um Bénétau!
    Mas voltando pra Marinização express, eita que inveja gostosa, e pra matar, ainda tinha vento!!!!
    Que bela estória, e que turma maravilhosa! E agora sabemos quem pediu ao Papai Noel o ipad, né?

    Grande abraço,

    Epifanio

  2. Epifanio Link Permanente
    sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 12:26 pm 12:26 pm

    P.S.: pelas fotos, você passou 3 dias longe das Itaipavas……

    • sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 3:21 pm 3:21 pm

      Epifanio,

      Não é tão caro assim. É só vir na baixa temporada, a partir abril, que como você sabe é a melhor época para se estar de barco em Angra.
      Os tripulantes eram low profile, especialmente quanto a Itaipavas – bem diferente de um casal que conheço. Mara fez algumas caipiroskas para eles e eu bebia à noite, quando ancorados.
      O que animou Ernesto a marinizar a Thais foi a série de posts sobre a Camila, eles leram tudinho. Aliás, a Camila deve fazer o curso avançado, é só a bruguelinha crescer um pouco, né?
      Pois é, o cara foi o próprio Papai Noel…

      Bons ventos sempre,

  3. Roberto Rodrigues Link Permanente
    sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 12:52 pm 12:52 pm

    Grande Hélio
    Realmente num barco desses, pessoal parece boa gente, natureza, vento bom para velejar e coca-cola??? Peraí. As imagens não mentem. Coca-cola?
    Tá certo que estava “trabalhando”, mas não teve “nenhuma cerva?”.
    Forte abraço. Gostei da narrativa. Mme senti dentro do barco.

    • sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 3:32 pm 3:32 pm

      Roberto,
      Que bom que gostou do relato. E se sentiu o vento no rosto, melhor ainda.
      Não fiquei à bese de coca-cola (veja coment anterior), mas realmente evito alcool quando navego, principalmente quando trabalho (se é que se pode chamar isso de trabalho).
      À noite, quando está tudo tranquilo, me dou o luxo de uma cervejinha.
      Bons ventos sempre,

  4. Epifanio Link Permanente
    sexta-feira, 20 janeiro, 2012 @ 4:00 pm 4:00 pm

    Mas deixe-se registrado: você merece o ipad e muito mais. A Mara que o diga: se comportou bem durante o ano, não bebeu mais (nem menos); só o habitual.
    Assim, como foi um “bom menino”, Noel não esqueceu de você. Mesmo que com certo atraso……

    • quinta-feira, 26 janeiro, 2012 @ 9:41 am 9:41 am

      Epifanio,
      Está vendo como vale a pena ser um bom menino? Ganhei um presentão.
      Para este ano vou lançar uma campanha: ajude o Helinho a comprar um catamarã, faça charter com ele!
      To esperando vocês.
      Bons ventos sempre,

  5. segunda-feira, 23 janeiro, 2012 @ 7:11 pm 7:11 pm

    Helinho, olha vc vai ganhar mais um casal para marinizar. Eu os encontrei na Telma, a 2 semanas atrás, e falei da marinização do Tio Helio e da Tia Mara. Eles adoraram. Acho que vão procurar na delta por vcs. Parabéns meninos. bjs

    • quinta-feira, 26 janeiro, 2012 @ 9:51 am 9:51 am

      Miriam,
      Oba, mais um casal pra marinizar! Estou ficando um expert nesse tipo de charter, e me divirto muito também. Passa meu email pra eles.
      Tenho um mapa pra você levar na sua próxima viagem, passa aqui antes de ir.
      Bons ventos sempre,

Trackbacks

  1. Dê-me o supérfluo que abro mão do essencial « MaraCatu blog
  2. Subindo na vida… | Veleiro Mythos

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.783 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: