Skip to content

Pirenópolis – o segundo dia

segunda-feira, 3 outubro, 2011 @ 2:47 pm

CachoeiraAraras

A coisa boa de viajar para um lugar distante com quem conhece tudo e tem carro é que não precisamos nos preocupar com o programa do dia, que não podia ser outro que aplacar o calor cerradiano com um banho refrescante de cachoeira. E o que não falta em Pirenópolis são cachoeiras, a maior parte em reservas ou propriedades privadas – o que significa pagar taxa de visitação, mas nada exorbitante.

JoanaBarrigudaDepois do lauto café colonial na pousada Casa Grande, degustado com calma como manda a tradição slow food, a turma foi unânime em escolher a cachoeira das Araras pra passar a manhã. O critério foi a trilha fácil, com apenas 300 metros, por conta da filhota Joana que está com a barriga enorme. É só pegar a saída oeste para Goianésia no sentido do aeroporto, navegar 15 km pela GO 338, que depois de mais 2 km de terra, com direito a um banho no carro no rio Dois Irmãos, se chega a queda d´água de uns 7 metros e um poço de bom tamanho para um mergulho.

O espaço no entorno da cachoeira é agradável. Tem barraquinha pra comprar cerveja gelada e vários quiosques com bancos e churrasqueiras. A turma se animou a um banho. Eu, apesar de aquariano, só molhei as canelas e fiquei de papo degustando uma Pirenopoliense, cachaça não muito boa, mas que caiu bem nessa manhã agradável.

RioDoisIrmaos

Na volta à cidade o almoço foi no restaurante Dona Cida, de tradicional comida goiana, que não estava fazendo parte das atividades paralelas do Slow Filme. Fomos atendidos pelo chefe Amir Felício, um mineiro de Sacramento, que além de tentar vender seus livros de culinária, nos sugeriu duas de suas criações: a costelinha mexicana e o lombo da vovó. Eu ainda pedi a paçoca no pilão, iguaria que foi apresentada no programa da Ana Maria Braga, mas que não chega aos pés da que provei na Praia de Pirangi do Norte, no litoral Sul de Natal. Pablo, que agora está mais exigente, falou que o restaurante já foi melhor. Pra mim tudo é festa e como manda a tradição do comer devagar, divaguei bastante e fui o ultimo a sair da mesa.

AmirRestDonaCida

5 Comentários leave one →
  1. Kelma permalink
    quinta-feira, 9 maio, 2013 @ 8:39 pm 8:39 pm

    olá boa noite, estou procurando pessoas que foram a essa cachoeira para saber o valor da entrada. Será que vc poderia me ajudar. Obrigada!!! A proposito, otimo blog!!!!

    Curtir

    • sábado, 11 maio, 2013 @ 1:32 pm 1:32 pm

      Kelma,

      Grato pelo comentário.
      Já faz tempo que fui por lá. A taxa deve ser na faixa de 10 a 12 reais, mas você pode usar a infraextrutura e até fazer um churrasquinho se quiser.
      Bons ventos sempre,

      Curtir

      • Kelma permalink
        segunda-feira, 13 maio, 2013 @ 2:31 pm 2:31 pm

        Obrigada, Hélio!!!!!

        Curtir

        • domingo, 19 maio, 2013 @ 11:04 am 11:04 am

          Kelma,

          Por nada. Apareça sempre que vira e mexe tem novidades aqui nestas gotas d´água salgada quase diárias.

          Bons ventos sempre,

          Curtir

Trackbacks

  1. Pirenópolis – o Santuário Vagafogo « MaraCatu Weblog

Em que você está pensando? Deixe seu pitaco.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.154 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: